Livros sobre fotografia que você não pode deixar de ler!

Você começou a se interessar por fotografia, mas não sabe por onde começar a buscar informações sobre o assunto. A internet é um bom começo? Sim. O youtube possui muita informação interessante? Sim. Mas as informações estão dispersas e tem que se pesquisar muito para achar ótimo conteúdo. Então, se você não tem paciência para ficar dias e mais dias em busca de informação na internet e fica com a visão irritada por fitar um monitor, os livros dedicados exclusivamente à fotografia podem ser uma boa saída. Portanto, indicarei 4 livros excelentes para quem está começando e um 5º que não é tão bom, mas como o li, posso dar o meu parecer.

O primeiro livro é O Novo Manual de Fotografia do autor John Hedgecoe, da editora Senac com 416 páginas. Trata-se de uma obra "técnica", de capa dura e com uma série de fotografias e todas com as configurações utilizadas pela máquina. O livro foi produzido em cores e em material de excelente qualidade. Aliás, todos os livros que estou indicando possuem essa característica, com papel brilhante, o que incentiva ainda mais a leitura. Digo que é um livro "técnico" porque o autor fala dos tipos de câmeras existentes, dos diversos tipos de objetivas, dos acessórios para objetivas, autofoco, exposição, profundidade de campo, como segurar a câmera, como congelar o movimento, como fotografar fogos de artífício, sobre cor, forma, nu abstrato, iluminação, sobre filme (e até sobre revelação) e muito mais. Se quer saber para que serve um obturador, para que serve um diafragma, o autor te explica.

Capa do Livro O Novo Manual de Fotografia

O Novo Manual de Fotografia.

Enfim, há uma série de informações sobre fotografia que você nem sabia que existia. Portanto, é um livro para ser lido com muita calma e até mesmo estudado. Por exemplo, o autor cita a roda das cores. Mas o que vem a ser essa roda? Veja um trecho do livro:

"Usada por fotógrafos e artistas, esta roda apresenta as relações entre as diferentes cores. A maneira como elas reagem entre si, em pares ou grupos, depende da posição que ocupam na roda. Dispostas em sentido horário e na ordem em que estão dispostas no arco-íris, as três primárias - vermelho, amarelo e azul - estão em posições equidistantes. As três cores secundárias - verde, púrpura(vinho), e laranja,(resultantes da mistura de duas primárias) - ocupam posições intermediárias, e as cores terciárias (derivadas da mistura da primária adjacente com cores secundárias) também são utilizadas. As cores causam efeitos distintos no espectador. O amarelo, por exemplo, é muito mais brilhante do que as demais cores, enquanto o vermelho é a cor mais intensa." John Hedgecoe.
Capa do Livro O Novo Manual de Fotografia

A Roda das Cores.

Mas para que servem essas informações? Imagine que você vá fotografar sua amiga em um parque que possua uma extensa área verde. Ela te pergunta se um vestido azul, que ela adora, ficaria bem. O que você responderia? Se você não sabe nada sobre a roda das cores, provavelmente diria a ela que ficaria bom. Porém, se soubesse o mínimo de informação da roda das cores, você diria a ela que deveria usar uma cor vermelha pois essa cor é a que mais contrasta com a cor verde das folhagens. Se ela usasse o vestido azul, se tornaria parte do ambiente e consequentemente, não se destacaria na foto.

O segundo livro se chama Fotografia Digital Na Prática - Volume 1 de Scott Kelby da editora Pearson. Em 209 páginas o autor dá dicas bastante práticas e fundamentais para "fotógrafos" iniciantes. Há duas questões quanto a esse livro que podem colocá-lo em dúvida sobre a credibilidade do autor: a primeira é a série de piadas sem graça, daquelas que apenas americano ri e que causam uma péssima impressão inicial. O autor insiste em fazê-las com muita frequência nas páginas iniciais, o que a princípio torna quase que insuportável prosseguir com a sua leitura. Se não tiver paciência pule direto para a página 8. A segunda questão é que o autor usa, além de fotos feitas por ele mesmo, uma série de fotos de outros autores ou de bancos de imagens. Mas passado o susto inicial, afirmo que isso não impede o seu aprendizado.

Conforme o próprio autor diz, ele escreve como se estivesse fazendo um passeio com você para fotografar e vai dando dicas ao longo do passeio. Scott dá dicas de como obter fotos mais nítidas, como fotografar pessoas, flores, paisagens, o fundo certo para fotos externas e etc. como um profissional.

Capa do Livro Fotografia Digital na Prática - Volume 1

Fotografia Digital na Prática 1

Abaixo, um trecho do livro:
"Em um dia normal, se você estivesse caminhando em um campo cheio de flores selvagens ou na trilha de um jardim, estaria olhando essas flores de cima para baixo, certo? Essa é a razão pela qual, se fotografar flores em pé, olhando para elas de cima para baixo como sempre fazemos, suas fotos de flores parecerão, bem...apenas medianas. Se quiser ter fotos de flores com algum interesse visual sério, você terá de fotografá-las de um ângulo não visto rotineiramente. Em geral, isso significa não fotografá-las de cima para baixo e, em vez disso, abaixar-se e fotografá-las na mesma altura delas". Scott Kelby.
Simples e objetivo assim, mas fundamental para melhorar muito o seu conhecimento. Esse é apenas um exemplo, mas há muito mais informação de complexidade maior.

O terceiro livro que indico é Fotografia Digital na Prática - Volume 2 também de Scott Kelby, da mesma editora e com 217 páginas. As piadas sem graça do volume anterior diminuíram, felizmente, mas o autor ainda usa algumas fotos de outros autores. Cito isso porque se você fosse escrever um livro sobre fotos, por que usaria fotos de outros autores para ilustrar o mesmo? Isso causa uma sensação estranha, mas não desmerece o autor porque a maioria das fotos é dele mesmo.

Capa do Livro Fotografia Digital na Prática - Volume 2

Fotografia Digital na Prática 2

O autor segue a mesma linha editorial do volume 1, porém, dá dicas mais específicas, tais como: uso do flash como um profissional, como montar um estúdio do zero, macro, casamento, pôr-do-sol, iluminação, fundos para fotos e etc. Por que digo que as dicas são mais específicas? Por que no caso de fotografias de casamentos, por exemplo, não seria nada viável usar uma câmera compacta ou semiprofissional. Portanto, para colocar em prática o que é dito no livro, o ideal seria possuir equipamento profissional, como câmeras, lentes, flash e etc. Mas não entenda errado. O livro será muito útil, mesmo que disponha de uma câmera semiprofissional apenas e não possua rebatedores, flash externo e etc. O rebatedor por exemplo pode ser substituído por uma folha de isopor.

Veja um trecho do livro sobre fotografia de pôr-do-sol:

"Como você está fotografando direto para o sol, a leitura a partir do fotômetro embutido na sua câmera pode tornar-se totalmente inútil, e o que parecia tão belo quando você fotografava resultou em algo imprestável. Felizmente, há um truque simples para sempre tirar fotos excelentes do pôr-do-sol. O truque é focalizar imediatamente acima do sol poente (mas certifique-se de que ele não apareça no visor) e manter o botão do obturador pressionado até a metade, o que instrui a câmera e configurar a exposição apenas daquilo que, nesse momento, está no visor." Scott Kelby.

O quarto livro é A Arte da Fotografia Boudoir - Como revelar a sensualidade feminina da autora Christa Meola publicado pela Editora Photos. Esse é "o livro" sobre fotografia sensual!!! Ricamente ilustrado e com 243 páginas, a autora fornece informações preciosas sobre essa arte da fotografia. Apesar do livro pecar em duas questões: os muitos erros de digitação incomodam bastante, se você, assim como eu, admira a leitura fluente e o português, não diria perfeito, pois nossa língua realmente é difícil, mas bem tratado. O outro pequeno pecado é que enquanto a autora está se referindo à fotografia A, por exemplo na página 30, essa fotografia apenas será vista na página de trás, ou seja, não é que o texto esteja na página da esquerda e a foto na página da direita, mas sim que você terá que virar a página para poder ver o detalhe a que a autora se refere na imagem.

Capa do  livro A Arte da Fotografia Boudoir

A Arte da Fotografia Boudoir

Deixando de lado esses pequenos deslizes vamos ao que interessa. Boudoir significa quarto de vestir. Em tempos remotos, era nesse quarto que as damas descansavam e ajustavam o corselet. Ou seja, o quarto de vestir era um ambiente aconchegante e de bom gosto. Assim deve ser a fotografia boudoir: feita em um lugar requintado, luxuoso, com bom gosto e sem ser vulgar.

E é exatamente isso que a autora demonstra no livro. Poses belíssimas, acessórios elegantes, explicação de como "criar movimento sensual", luz que embeleza, pequenas entrevistas com as modelos fotografadas, edição prática e simples com Lightroom e Photoshop, sem tornar a imagem artificial. Além disso, a autora dá dicas de figurinos que não podem faltar em uma sessão, os 5 acessórios preferidos, ações para as poses não parecerem estáticas demais e etc.

Trecho do livro:

Nº 4. A Serpente

"... esta é uma pose sexy... É uma ótima pose para começar porque a mulher se sente relaxada e segura nesta posição. Novamente, será necessário alguma direção e lembretes para mantê-la nesta posição extrema. Eu fico incentivando-a a elevar os quadris e curvar as costas ainda mais, para criar o que chamo de "triângulo fantástico" entre os quadris, parte superior das coxas e inferior do abdômen. Peça para ela mover o braço voltado para a câmera para que a lateral do seio fique visível." Christa Meola.

Christa Meola informa também sobre o tipo de equipamento utilizado e mostra em pequenos gráficos como a iluminação para determinada foto pode ser feita. E quando a autora diz que gosta de trabalhar da forma mais simples possível, aproveitando a luz natural e em pequenos espaços, como quarto de hotéis, dá a esperança aos amadores que com pouco investimento, é possível fazer um bom trabalho.

Site da autora: christameola.com

O quinto livro, Fotografia de Nu Artístico - Linguagem, Composição e Técnica, também da Editora Photos, não é uma indicação, mas apenas uma opinião pessoal. Explico: apesar de trazer muitas fotos (como os demais livro indicados anteriormente), o autor, Guilherme Lechat, não é objetivo como Scott Kelby ou Christa Meola. Ele é muito teórico, não sei se esse seria o melhor termo, mas fica aquela sensação de que falta algo mais, mais objetividade. Portanto, não espere encontrar nesse livro de nu artístico o que é ou não é nu artístico com todas as letras. Além disso, em 209 páginas o autor exibe fotos sem muitos atrativos. Há algumas fotos interessantes, algumas muito bonitas, mas muitas, particularmente, não me disseram nada. Muitas poses são desinteressantes e passam a impressão de que qualquer um poderia fazer aquilo. O livro de Christa Meola é muito mais interessante, absorve mais o leitor e é mais sofisticado. Claro que há uma diferença entre nu artístico e fotografia boudoir, mas o autor parece não ter seguido seu próprio conselho quando diz ao leitor que ao fazer uma exposição, é necessário selecionar apenas as melhores fotos e dispensar as demais.

Capa do  livro Fotografia de Nu Artístico - Linguagem, Composição e Técnica

Fotografia de Nu Artístico

Veja um trecho:

Definir o que é ou não artístico em fotografia de nu é uma tarefa complexa. O que é artístico para uns pode parecer vulgar a outros. Educação, preceitos morais, idade e cultura são alguns dos fatores que influenciam a percepção das pessoas sobre o tema. Gerações de épocas diferentes pensaram essas questões de forma igualmente distinta ao longo da História. Avós e netos têm noções bem diferentes de moralidade mesmo hoje em dia. Porém, alguns detalhes permitem a formulação de conceitos mais precisos. A fotografia de nu abrange subcategorias distintas. Existem nus clássicos e acadêmicos. Existem nus sensuais e eróticos. Entretanto, todos são nus. O que os distingue é a forma através da qual são mostrados. Guilherme Lechat.

Lendo o texto completo derivado do trecho de amostra colocado acima, você pode pensar que o autor irá te dar a resposta clara e objetiva do que fazer e do que não fazer para tornar uma foto de nu um trabalho artístico, ao invés de um trabalho vulgar. Mas como disse anteriormente, não é isso o que acontece.

Por outro lado, o livro traz dois pontos interessantes: o primeiro é um exemplo de termo para utilização da imagem da modelo. É algo interessante para que você possa se resguardar de possíveis processos ou de pessoas com más intenções. O segundo ponto é o guia de poses ao final do livro. Porém, as poses poderiam ser bem melhores. Além disso, assim como os demais, o livro traz gráficos sobre onde posicionar a modelo e a(s) luz(es).


Comentários para esse artigo

Paulo César

Adorei o artigo. Estou começando a fotografar agora e pretendo ler todos esses livros. Obrigado.


Malcoln

www.cyber-foto.com

Ok Paulo. Garanto que não irá se arrepender. Abraços.


Preencha os campos abaixo: